quarta-feira, 19 de novembro de 2014

O pobre mais rico


Era uma quarta-feira, quando cheguei à sala de aula muito feliz por ter feito um texto sobre esporte, algo que não domino. Imediatamente, fui mostrar à professora na expectativa de ouvir que o texto estava uma maravilha, excelente. Enquanto aguardava a correção, distraí-me com o conteúdo da internet. Quando menos esperei, ouvi:

- Karen, é a sua vez, vamos corrigir o seu texto, disse a professora.

Pensei comigo, agora vai! Está tudo certo, vamos partir para outra. Perguntei quais os mecanismos para desenvolver um texto narrativo, que tema eu poderia utilizar. Mas, antes de responder como eu faria o próximo trabalho, a professora sentou ao meu lado e mostrou-me os pontos que eu precisava corrigir no meu texto sobre esporte. Fiquei feliz pelo título que a professora aprovou, mas achei que seria um trabalhão corrigir algo de que eu não dominava. No fim, deu tudo certo. Eu fiz o melhor que pude.

Sobre o texto narrativo, ao final da correção, a professora me deu tema livre. Fácil. Foi o que imaginei. Logo, comecei a pensar em um para desenvolver uma boa pauta sobre cultura. Nada me veio à mente, por isso comecei a procurar sugestões entre meus colegas de trabalho. Ouvi diversas sugestões das quais não me agradei. Ouvi falar de uma exposição de arte que acontecia em um hospital e me animei. Senti vontade de conhecer, vivenciar e admirar aquela riqueza de detalhes, mas não deu certo, pois a exposição estava acabando naquela semana, e por causa do trabalho, não daria tempo de visitar aquela maravilha que vi em apenas pelo Instagram.

Não perdi a esperança e continuei procurando uma pauta da qual valesse a pena escrever De repente, uma ideia, Santana do Parnaíba. E por que não visitar aquela cidade histórica no objetivo de extrair algo construtivo e mostrar as riquezas de detalhes daquelas casas construídas há anos e que não podem ser demolidas devido ao seu valor cultural?

Achei que minha pauta estava fechada até o momento em que acompanhei uma colega de trabalho num compromisso. Era um local totalmente fora de mão do meu destino para casa, além do forte sol e calor que faziam naquela tarde.

Não tinha noção da onde estava indo, mas a vontade de conhecer mais da minha São Paulo era mais forte. Valeria pela aventura. Chegamos ao destino final, a estação Clínicas, do Metrô. Por alguns minutos, nos perdemos nas diversas saídas daquele labirinto, mas, finalmente, conseguimos sair.
Conforme caminhávamos, algo me roubou a atenção. Olhei por alguns minutos e me encantei. Era a exposição ‘Memórias da Rua’, do fotógrafo Português, Miguel Castello. Ela retrata a vida de moradores de rua. Naquele instante, Santana do Parnaíba ficou para trás. José Aparecido Marquetto, morador de rua há 27 anos, um dos personagens, me atraiu a atenção. Li seu depoimento abaixo da foto exposta. Naquelas palavras que demonstravam força diante da situação em que vivia, pude enxergar a alma daquele senhor, que apesar da dura condição de vida, demonstra ser rico pela experiência e o amor à vida, que carrega.

Riqueza em meio à pobreza

Após presenciar aquelas imagens tão bem retratadas sobre os moradores de rua, fiquei mais vulnerável, sensível à situação das pessoas que vivem nas ruas. Por onde ando, observo tudo que passa diante dos meus olhos. Na semana passada, estive na estação da Sé, onde avistei várias pessoas que moram nas ruas. Lembrei-me das imagens da exposição, presas em minha mente. Senti a dor de não entender o porquê de tantas pessoas naquela condição. De dentro do ônibus, em meio a tanta gente, enxerguei um homem em uma cadeira de rodas e observei os inúmeros edifícios em redor. “Quanta pobreza diante de tanta riqueza”. Esse era o meu pensamento.

Uma lição de vida


Em meio à dor do que os meus olhos enxergavam, carregava comigo a lembrança daquele jovem senhor retratado naquela foto, cujas mãos estavam sobre a cabeça, como se estivesse preocupado. Imagem que ficou desenhada em minha mente. Acredito que tenha sido uma mensagem, uma lição de vida. Por dias ela ficou em meus pensamentos e imagino que em outras mentes também, pois ao passar na estação Barra Funda, tornei a ver aquela imagem. Estava grafitada no muro da estação, provavelmente, por algum artista que vivenciou o mesmo que eu. Alguém que, como eu, absorveu a mensagem daquele moço, que ansiava em deixar uma lição de vida, através do seu otimismo e desejo de amar a vida.



Karen Salvador
O que achou?

0 comentários :

Postar um comentário

Gostou do post? Comente. Ficarei muito feliz em saber sua opinião sobre essa postagem que preparei com muito carinho.